Antiguidades
Aristóteles: A lei da alavanca

Uma das primeiras representações económicas do princípio da alavanca, que está por detrás de todos os alicates, remonta ao tratado atribuído ao filósofo grego, Aristóteles (384-322 a. C.), que versava sobre a mecânica.
"No capítulo referente à alavanca é dada atenção não só à força mas também à carga como peso, ou seja, grandezas diretamente comparáveis, de forma a ser possível para Aristóteles formular a lei da alavanca: a relação entre o peso móvel e o peso a ser movido é inversamente proporcional à relação do comprimento da alavanca; daí resulta que uma força se move tão mais facilmente quanto mais afastada estiver do ponto de rotação da alavanca (850a30ff.). Aristóteles tomou por base esta afirmação nos seguintes capítulos da análise de diferentes instrumentos e equipamentos; o leme, o alicate do dentista e o quebra-nozes são identificados como alavancas ou combinação de alavancas e explicados com a ajuda da lei da alavanca."
(Helmuth Schneider, Einführung in die antike Technikgeschichte, Darmstadt 1992)

As figuras mostram partes de uma edição do "Mecânico" de 1599.